Pensar a Europa da justiça social é pensar a resistência ucraniana

 

Lanfranco Caminiti

 

“O perigo da guerra total desaparecerá no dia em que uma mudança de   regime na Rússia.  Uma que permita ao povo russo cancelar, de um só golpe, a política tradicional de conquista   de seus czares. Com isso, o povo russo poderá voltar a atenção ao seu próprio interior e seus interesses vitais, os mesmos hoje seriamente ameaçados, em vez de sonhar com a supremacia. Quando isto acontecer, desaparecerá também o pretexto para a corrida armamentista insana que está transformando a Europa em um grande quartel, e que fazem a própria guerra parecer quase um alívio. Mesmo o  Reichstag alemão se veria então obrigado a recusar as sempre crescentes demandas por suprimentos  bélicos. Assim, a Europa Ocidental seria capaz de lidar, sem ser perturbada por desvios e interferências externas, com a tarefa histórica urgente: o conflito entre o proletariado e  a burguesia, bem como a solução dos problemas econômicos relacionados. A mera derrubada do governo despótico do atual czar na Rússia já ajudaria diretamente nesse processo. O dia em que o czarismo cair – este último reduto do reacionarismo europeu – um vento totalmente diferente vai soprar sobre a Europa”.

Esta é uma citação de um texto de Friedrich Engels para o “Neue Zeit”, de fevereiro de  1890. Engels analisava a guerra entre a Rússia e as potências européias por meio de um prisma conceitual, e um ponto de vista: o dos interesses do proletariado em seu conflito com a burguesia. Quais são os interesses do proletariado em seu conflito com a burguesia? Que a Rússia seja  derrotada, que o regime czarista entre em crise. A partir da crise do czarismo, do modelo despótico russo, serão liberadas forças para o conflito entre proletariado e burguesia.

Agora, qual é nosso prisma conceitual sobre a guerra na Ucrânia, qual é nosso interesse na guerra na Ucrânia? A minha crítica ao pacifismo, ao “acordismo” e ao “concessionismo” (“Mas sim, vamos entregar o Donbas e acabar logo com isso”) nesta guerra se dá porque a negociação resultaria em interromper o alargamento da enorme fissura de contradições dentro do regime despótico de Putin, aberta graças à resistência ucraniana contra a invasão. Sem a resistência ucraniana, não teríamos os conflitos que se abrem dentro da sociedade e do regime russos. Este é o valor político da resistência ucraniana. É por isso que estou junto com a resistência ucraniana desde o primeiro dia, e não apenas por causa da “questão moral” de estar do lado do agredido contra o agressor.

Por que a abertura de conflitos e contradições dentro do despótico regime de Putin tem valor político para a Europa? Porque, sem a Rússia, não há Europa. Sem a Rússia, a Europa fica atrofiada cultural, histórica e economicamente. E porque o regime despótico de Putin, assim como     era o regime czarista examinado por Engels, é uma ameaça para a Europa.

Então, para quem a resistência ucraniana e a crise do regime de Putin tem valor político?  Eu penso que é para os que se preocupam com uma idéia da Europa que não seja dividida por uma nova cortina de ferro, agora uma cortina nuclear baixada pela OTAN, que se estende do Báltico até Constança, na Romênia.

Portanto, digo para aqueles movimentos por justiça social, por direitos, por uma ampla democracia que consideram a Europa uma só, de Lisboa a Moscou, e que não podem tolerar o Brexit mais do que podem tolerar a nova cortina nuclear, e que não podem tolerar a distinção entre países frugais do Norte e países gafanhotos do Sul, países do Ocidente e países do Leste – não podem tolerar tudo o que divide, separa, fragmenta a Europa.

Nós olhamos a guerra na Ucrânia como uma guerra terrestre – as cidades sitiadas e bombardeadas, os tanques e colunas de veículos militares avançando e ficando presos na lama, as trincheiras. Mas a guerra na Ucrânia, além de ser uma guerra do céu, é uma guerra da água, uma guerra do mar. O dito “destino manifesto” da Rússia é o Mar de Azov, o Dardanelos, o Mediterrâneo. Para enquadrar a estratégia russa, é preciso olhar além do Donbas, em direção ao Mar Negro, ao Mediterrâneo oriental e ao Mar Vermelho. Enquanto a OTAN avançou para o norte (o Báltico) e para o leste, o movimento russo foi especular e oposto, para o sul, começando com a intervenção na Síria e depois com o apoio a Belqasim Haftar, na Líbia. A presença massiva da Rússia no Mediterrâneo data de 2014, quando da conquista da Crimeia. Moscou precisa de bases militares no Mediterrâneo, daí as relações com o Egito e a Argélia.

Não há mais espaço – em que a questão da guerra ou a ameaça de guerra não se coloquem. Não há mais estados-tampão: o “iustissima tellus” de que falava Carl Schmitt é um campo de batalha. Mas também não existe mais um mar sem guerra ou ameaça de guerra. O Mediterrâneo não é bom em si, como se fosse suficiente evocá-lo para contrariar e anular as tristes tendências da Europa. Neste estado de coisas, uma tensão bélica reverbera por toda a Europa e no Mediterrâneo.

Portanto, o que precisamos é imaginar um espaço, inventá-lo. Inventar um espaço é  uma postura política. Inventar a Europa é uma postura política. Não existe uma Europa dada, assim como não existe um Mediterrâneo dado. Não estamos interessados na Europa dos mercados, a Europa da moeda, a Europa dos governos, a Europa dos povos, a Europa das nações, a Europa dos Estados. Tudo isso já aconteceu, já é história, são os séculos XIX e XX. O que ainda  não aconteceu é a Europa de justiça, direitos e liberdade. O que estamos vendo acontecer é uma Europa e um Mediterrâneo de novos movimentos sociais por justiça, direitos e liberdade. Este é o espectro que paira hoje sobre a Europa. Mudemos o incipit do “Manifesto” de Marx: “Um espectro paira sobre a Europa: é a própria Europa”.

Para dar corpo, para dar peso, para dar impressão a esse espectro, devemos trabalhar para ligar os movimentos de justiça social na Europa. Começando pelo valor político da resistência ucraniana. Sem a resistência ucraniana hoje, não teríamos esta nova oportunidade de falar sobre a Europa, de pensar a Europa, de inventar a Europa. A linha vermelha hoje é a resistência ucraniana: se não entender esta, não entenderá a Europa de que estou falando. Se não apoiar esta, não apoia aquela.

É por isso que estamos ao lado dos ucranianos, assim como estamos ao lado dos curdos contra o despotismo de guerra turco, assim como estamos ao lado dos sindicatos e jornalistas húngaros contra Orbán, ou das mulheres polacas contra esse regime obscurantista, e das mulheres iranianas contra o regime dos mulás. Mas os mulás não são tão diferentes de Kirill: uns e outro prometem o paraíso aos mártires de suas guerras.

E é pela mesma coisa, uma Europa de justiça social, que estamos ao lado dos catalães, dos escoceses, dos bascos, dos irlandeses, dos sicilianos – aos quais tenho a honra de pertencer – que lutam pela independência. Veja, este é o novo traço da independência europeia: não há independência se não houver justiça social.

Portanto, esta é a proposta, este é o caminho que estou propondo aqui: trabalhar em uma assembleia europeia de movimentos de justiça social a partir do apoio à resistência ucraniana, sem a     qual todo este discurso não acontece.

Também não é dado na Ucrânia, onde o conflito permanece fechado na resistência nacional e cada vez mais nacionalista. Nem é dado na Rússia, onde as contradições que se abrem têm como única liberação a fuga. Também devemos apoiar a desistência russa. Não há Europa livre sem a Rússia.

Inventar o espaço europeu, construir uma rede democrática entre os movimentos europeus de justiça social, apoiar a resistência ucraniana – estes três elementos devem se conectar, entrelaçar- se, para uma nova ação política.